Intestino preso?

Saiba como se livrar desse desconforto com 5 dicas práticas.

tamanho da letra - +

Publicado em 31/01/2013

Constipação intestinal, prisão de ventre, intestino preguiçoso ou intestino preso todos esses termos estão relacionados à mesma disfunção no organismo: a dificuldade de evacuar.

Engana-se quem acredita que esse incômodo acomete somente mulheres ou idosos, essas populações são sim geralmente as mais afetadas, entretanto o intestino preso pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres e em todas as faixas etárias, principalmente se todos apresentarem uma característica em comum, a baixa ingestão de fibras alimentares.

Geralmente quem sofre desse incômodo apresenta sintomas bem característicos como fezes endurecidas e segmentadas, irregularidade ou ausência de evacuação, distensão do abdômen, evacuação incompleta podendo chegar até a formação excessiva de gases e dores abdominais.

O intestino preso por longos períodos pode ocasionar o desenvolvimento de outras doenças como diverticulites, hemorroidas e até câncer devido à exposição prolongada do conteúdo das fezes na parede do intestino.

Confira abaixo 5 dicas que te ajudarão a se livrar desse desconforto e prevenir possíveis complicações à saúde!

Mais fibras
O primeiro e um dos mais importantes hábitos para ter um intestino saudável é manter uma dieta rica em fibras. Elas aumentam o volume das fezes, favorecendo os movimentos intestinais e consequentemente facilitam a eliminação.

As fibras estão presentes em produtos feitos com cereais integrais (arroz, cereais matinais, pães, biscoitos, torradas), farelos, sementes como linhaça e chia, aveia, granola, frutas, em especial na casca e bagaço, legumes e verduras.

A recomendação para o consumo de fibra é de 25 a 30g ao dia e acredite atingir essa recomendação requer a presença de vários alimentos fontes desse nutriente todos os dias em sua alimentação. Por isso se quer aumentar seu consumo de fibras inclua frutas, legumes e verduras na maioria de suas refeições, no café da manhã ou lanches prefira pães, biscoitos e cereais integrais. Adicione às frutas, iogurte ou vitaminas farelos, aveia, granola, sementes ou cereais matinais integrais.

Ao preparar bolos, tortas, biscoitos ou pães substitua parte da farinha branca pela integral. Experimente outros cereais como quinua, amaranto, cevada e trigo sarraceno, e alterne o arroz e massas consumidas no dia a dia pelas versões integrais.

Lembre-se ao aumentar o consumo de fibras da alimentação é preciso também aumentar o consumo de líquidos, uma vez que é essa associação que garantirá a regularidade do funcionamento de seu intestino.

Hidrate-se
Manter um adequado consumo de líquidos é essencial para o bom funcionamento intestinal. A água quando associada às fibras da alimentação, contribuem para a formação das fezes, deixando-as mais pastosas e fáceis de eliminar.

A água também participa da maioria das funções do organismo, atua na eliminação de toxinas e auxilia na manutenção da temperatura corporal. Por isso, para ter o intestino sempre saudável e o corpo em equilíbrio mantenha seu consumo de líquidos sempre dentro da recomendação de 2 a 3 litros de líquidos por dia.

Leve sempre uma garrafinha na bolsa ou na mochila, programe o celular ou computador para te lembrar de beber água e principalmente não espere a sede chegar para beber água. Aumentando seu consumo você rapidamente perceberá os efeitos positivos em seu corpo.

Que tal um probiótico?
Muitos iogurtes, leites fermentados e até mesmo cápsulas, atualmente disponíveis no mercado, possuem entre seus componentes microrganismos que ajudam a equilibrar a flora intestinal, esses produtos são conhecidos como probióticos.

Dentre os microrganismos mais usualmente presentes nesses produtos estão bactérias dos tipos Bifidobacterium e Lactobacillus.

Os probióticos ajudam a proteger o corpo de possíveis processos infecciosos, favorecem a absorção de nutrientes, mantendo assim o intestino apto a realizar suas funções, dentre elas a formação e a eliminação das fezes.

Se seu intestino é preguiçoso, inclua um iogurte ou leite fermentado em seu café da manhã ou lanche. Adicione farelos, aveia, granola ou mesmo frutas, desta forma você já consome também a fibra, importante fonte de energia para as bactérias dos probióticos.

Mas cuidado, como todos os alimentos, os probióticos não devem ser consumidos em excesso, caso contrário pode ocasionar diarreia.

Mexa-se!
Como todos sabem a prática regular de atividades físicas traz diversos benefícios ao corpo, proporcionando bem estar e qualidade de vida. No entanto, poucos conhecem os efeitos positivos no bom funcionamento intestinal que os exercícios possuem.

Estudos apontam que sedentários e pessoas com impossibilidade de se movimentar, como idosos acamados, representam uma grande parcela da população que sofre com o intestino preguiçoso. Portanto se quer manter um bom funcionamento intestinal é preciso colocar o corpo em movimento!

Que tal incluir uma caminhada, um passeio de bicicleta ou algumas braçadas na piscina do condomínio em sua rotina?

Além de alcançar a qualidade de sua saúde e um bom condicionamento físico, seus incômodos com o intestino tendem melhorar.

Nada de laxantes
Quando o ritmo do intestino sai dos eixos e passa a provocar desconfortos como gases, dores e distensão abdominal é comum o hábito de buscar nos laxantes o alívio para essa situação. O problema é que o uso contínuo desse medicamento, sem a devida prescrição médica, pode deixar o intestino ainda mais preguiçoso.

Com o laxante o intestino perde o sentido natural do movimento e acaba se viciando no medicamento, com isso uma função natural do organismo, que é a defecação, passa a ocorrer somente na presença do laxante. Após longos períodos de uso do laxante, os movimentos do intestino tendem a ficar ainda mais prejudicados levando à necessidade de aumentar a dose até o ponto que o laxante não fará mais efeito e o quadro de constipação chega a seu estado mais agravante, sendo preciso muitas vezes a internação para lavagem intestinal no hospital.


Ana Carolina Icó
Nutricionista Dieta e Saúde
CRN3: 34133