Siga nosso roteiro e ganhe motivação para malhar

Com estes truques, a preguiça vai passar longe de você

tamanho da letra - +

Publicado em 03/10/2011

Levando em conta todos os benefícios da prática de exercícios físicos, você decidiu abandonar o sedentarismo. Mas a decisão de suar a camisa não foi suficiente para te transformar em fã número um de esportes. Para incentivar você a persistir na missão e não abandonar os treinos logo após as primeiras semanas de prática, o Dieta e Saúde contou com um time de especialistas das mais renomadas academias de São Paulo. Além das dicas, os profissionais ressaltaram quais armadilhas podem desestimular quem está começando. Aprenda a usar as armas a seu favor e espante de vez a preguiça que insiste em te rodear.

 


Foque nos motivos do pontapé inicial

Em muitos casos, o que leva pessoas resistentes aos exercícios passarem a praticá-los é a preocupação com a saúde. Quando notam que já estão sofrendo com alguns prejuízos, elas procuram algum tipo de atividade física , afirma o coordenador de ginástica da Bio Ritmo, Saturno de Souza. Ele conta que é comum receber alunos que perderam o fôlego ao brincar com os filhos ou que já não têm mais o mesmo pique na hora de bater uma bola com os amigos.

Ter os motivos que te levaram a se exercitar sempre em mente é uma das dicas de motivação dada pelo coordenador da Bio Ritmo. Ele lembra que as atividades físicas funcionam como um regulador do sistema corpóreo, já que equilibram todo o corpo. Manter a conclusão de que os exercícios são fundamentais para o bom funcionamento do corpo em primeiro plano serve como motivação, completa.


 

Escolha modalidades que te agradem

Saturno aconselha os iniciantes nos esportes a praticar atividades de curta duração. Uma caminhada de 30 minutos ou um treino com a mesma duração, praticados três vezes por semana, são suficientes para sentir resultados no corpo, garante.

O coordenador de ginástica conta que se exigir demais logo no começo da prática pode ter efeito contrário. Segundo ele, o ideal é aumentar a intensidade e o tempo dos exercícios aos poucos, conforme as melhoras forem aparecendo.

Além de não exagerar na dose, é fundamental encontrar uma atividade que te agrade. Se você não gosta de caminhar, vai ser mais difícil dar continuidade ao projeto. Opte pelas pedaladas, por exemplo. Para quem não gosta de se exercitar sozinho, em vez das séries de musculação, pode escolher aulas de exercícios localizados e interagir com outros alunos, indica Saturno.

Descobrir a modalidade mais indicada para você é fácil, segundo a professora da Competition, Marcela Braghin. Ela aconselha os iniciantes a se aventurar por diversos tipos de aula para saber escolher a que mais agrada. Leve em conta também algumas características da sua personalidade. Se você é muito agitado, por exemplo, certamente vai se adaptar bem às aulas em grupo, acompanhadas de música.

A dica é confirmada pela cantora Marina Elali. Como gosta de dançar desde criança, não teve dúvidas na hora de escolher uma atividade física. Mesmo com as viagens para realizar os shows, ela conta que não deixa de se exercitar. O segredo para tanta motivação? Ela revela: a dança me faz bem, me sinto mais feliz e disposta. É um processo natural, cada dia me sinto mais disposta.

O coordenador de ginástica Saturno alerta que praticar as modalidades feitas por seus amigos pode se transformar em armadilha. Quando os gostos não são parecidos, a companhia não vai adiantar muita coisa. Procure por um tipo de exercício que realmente te agrade, insiste.

 


Não radicalize na dieta

Da mesma forma que exagerar nos exercícios não é recomendado, seguir um cardápio muito restrito é mais um atalho para cair no desânimo. Saturno lembra que a alimentação está diretamente ligada à prática de exercícios. Fazendo dietas radicais, você se sente mais fraco, a energia diminui e o cansaço surge mais facilmente , cita Saturno.

Ainda de acordo com o especialista no assunto, quando as alterações na alimentação são necessárias, elas também devem ser feitas aos poucos, sem que o corpo passe por efeitos bruscos em uma fase que está se adaptando aos exercícios.

 


Veteranos também correm perigo

Mesmo quando você já não se enquadra mais na categoria de iniciantes das atividades físicas, não dá para bobear. A rotina dos treinos é um exemplo típico de fator desestimulante. A dica de Saturno para driblar o inconveniente é aproveitar todas as possibilidades oferecidas pelas academias. A variedade das aulas é grande atualmente. E até mesmo os treinos de musculação podem ser dinâmicos. Você pode trabalhar determinados grupos musculares em um dia e outros, no dia seguinte, exemplifica. Além de quebrar a rotina, a professora da Competition garante que alternar os tipos de exercícios é uma medida eficaz contra a fadiga.

A consultora de atividade física do Dieta e Saúde, Valéria Alvim, ressalta que mudanças nos treinos, com realização de novas séries e diferentes intensidades, por exemplo, são fundamentais para que a acomodação não se instale e os benefícios dos exercícios sejam constantes. É por este motivo que se submeter a uma avaliação física a cada seis meses é necessário. Baseado na avaliação, novos objetivos são traçados e novos estímulos são dados ao corpo, respeitando os limites individuais do aluno , completa.

Para não deixar o desânimo te pegar de surpresa, fique atento também aos locais onde você treina. O coordenador da Bio Ritmo conta que a academia ou o parque frequentado precisam fazer parte do seu roteiro, seja no caminho do trabalho ou perto de casa. É comum vermos alunos que mudaram de emprego e se exercitam perto do escritório antigo, abandonarem as atividades, constata Saturno.